This site in English


Bem-vindo(a) a este website. Você está ouvindo o trio de Haroldo Mauro Jr., com Sergio Barrozo no contrabaixo e Duduka da Fonseca na bateria, tocando a composição de H. Mauro Rua Juquiá, do CD Bossa na pressão Para ouvir mais amostras desse álbum clique na imagem da capa do CD, à direita da página.


"...em seu discurso nada é previsível ou programado, tudo provém da sua imaginação, retendo o essencial e descartando o supérfluo."

José Domingos Raffaelli — BrazilianMusic.com      
(leia a resenha completa...)      

HAROLDO MAURO
JR.

pianista, baterista & compositor

Próximas apresentações:

(clique para ver a agenda completa)

CD BOSSA NA PRESSÃO

Bossa na Pressão emplaca "Top Ten List" no AllAboutJazz!

O CD "Bossa na Pressao", do pianista de jazz Haroldo Mauro Jr. está na lista dos dez melhores álbuns de jazz de 2006 de Dan McClenaghan, do AllAboutJazz, ao lado de Chick Corea, Ornette Coleman e Brad Mehldau. Bossa na Pressão"...é o mais bonito lançamento de trio do ano..." nas palavras do crítico, que faz também um elogio à qualidade da gravação. Completam o trio Sergio Barrozo e Duduka da Fonseca.

(clique para ver o artigo completo...)


 

O poeta e crítitico americano Eli Siegel, fundador da filosofia Realismo Estético, definiu a beleza com essas palavras:

Toda beleza está em fazer uma unidade de opostos,
e fazer uma unidade de opostos
é o que estamos buscando em nós mesmos.

Como músico e como pessoa, esse princípio é a coisa mais importante que aprendi a respeito da arte e da vida. Eu conheci o Realismo Estético de Eli Siegel por intermédio do professor Edward Green, em suas aulas de música na Manhattan School of Music, durante os anos oitenta.


Meu interesse por música começou cedo. Dediquei grande parte da minha vida ao estudo e execução do jazz e da bossa nova instrumental, gêneros musicais pelos quais sempre tive atração. Ouvindo mestres instrumentistas como Barry Harris, Sonny Rollins, Edison Machado e Raul de Souza, obtive o incentivo que precisava para praticar o piano horas a fio. A improvisação do jazz, coisa que gosto muito de fazer, é um exemplo de beleza, pois dá ao ouvinte duas sensações opostas ao mesmo tempo: flexibilidade e rigidez. Nas minhas execuções, meu objetivo é transmitir a idéia de elementos livres, soltos, mas que estão ao mesmo tempo presos por uma organização forte.

Como professor eu percebo, em salas de aula, que os alunos se sentem estimulados quando veem uma relação entre aquilo que estudam e suas próprias vidas. O Realismo Estético explica que tudo tem uma estrutura estética: a unidade de opostos. Estudantes, assim como todo mundo, estão tentando unir opostos em suas vidas. Ë medida que os alunos começam a ver a unidade de opostos nas matérias que estudam, eles veem relação, e o mundo faz sentido. Eles se interessam pela matéria e aprendem.



Video clip com Milton Banana Trio

 

This site in English



h="33%">